Extensão

Cientistas Formosas promoverá áreas científicas para o público feminino

  • Imprimir
Criado: Sexta, 14 de Dezembro de 2018, 13h13 | Última atualização em Quarta, 26 de Dezembro de 2018, 08h38

O projeto entrará em vigor a partir do próximo ano, em parceria com o Colégio Estadual Professora Maria Angélica

Estimular a participação e a formação de meninas e mulheres para as carreiras de exatas, engenharias e computação levou o Câmpus Formosa do Instituto Federal de Goiás (IFG) a participar da Chamada Pública nº 31/2018, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O projeto Cientistas Formosas foi selecionado e começa as atividades em 2019.

O projeto de extensão, proposto pela professora Adriana Martini Martins, conta com cinco colaboradores da Universidade de Brasília (UnB), da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e do IFG/Câmpus Formosa. Três estudantes do colégio estadual participante do projeto receberão bolsas de Iniciação Científica Júnior (ICJ), no valor anual de R$3.600,00; uma aluna de graduação do IFG/Câmpus Formosa será contemplada com bolsa de Iniciação Científica (IC), no valor total de R$4.800,00; e uma professora do colégio estadual receberá o montante de R$6.600,00, pelo Apoio Técnico à Extensão no País – Nível Superior (ATP-A). Além disso, a Chamada Pública destina 5 mil reais para o custeio do Meninas Formosas.

"Acho importante a aproximação entre o Instituto e a escola estadual, porque futuramente aqueles estudantes poderão ser aluno nossos. É importante eles conhecerem o Instituto, as atividades que a gente faz aqui, os cursos", justifica Adriana.

O Câmpus trará trinta alunas das séries finais do ensino fundamental e médio do Colégio Maria Angélica para o seu dia a dia, fazendo atividades nas dependências do IFG e na instituição de ensino estadual, relacionadas à temática. Estão previstos exibições de filmes, palestras, inscrição das estudantes em eventos científicos da região, experimentos nos laboratórios, aulas de reforço nas disciplinas científicas, visitas técnicas e criação de lunetas.

A ação promoverá também oficinas de informática básica para todos os alunos do colégio no laboratório do Maria Angélica. A comunidade externa também poderá participar nas exibições de filmes e realizações de palestras. “Estas estudantes terão acesso ao ambiente de laboratório. O contato com a atividade experimental é essencial no trabalho científico”, afirma Adriana.

 

Setor de Comunicação Social/Câmpus Formosa