Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Destaque

Estudante é premiado com medalha de prata na Olimpíada Brasileira de Robótica 2017

Criado: Terça, 14 de Novembro de 2017, 14h08 | Última atualização em Sexta, 17 de Novembro de 2017, 19h21

Tiago Soares Bernardes, do 4º ano do técnico integrado em Eletrônica, recebeu hoje, 14, medalha pela conquista na competição

Thiago Bernardes recebeu medalha de prata por vitória na OBR 2017, durante solenidade realizada junto com a equipe GynBot Yotta.
Thiago Bernardes recebeu medalha de prata por vitória na OBR 2017, durante solenidade realizada junto com a equipe GynBot Yotta.

Um dos premiados na Olimpíada Brasileira de Robótica 2017, o estudante do quarto ano do curso técnico integrado em Eletrônica do Câmpus Goiânia do IFG, Tiago Soares Bernardes, recebeu hoje, 14, medalha de prata pela vitória na modalidade teórica da competição. Em sua primeira participação na Olimpíada, o estudante foi um dos cinco premiados em Goiás.

É a segunda vez que o Câmpus Goiânia participa da OBR, segundo o professor e coordenador de aplicação das provas da competição no câmpus, Fábio Marques. No ano passado, foram 15 alunos do quarto ano de Eletrônica que participaram da competição, sendo que três conquistaram medalhas de bronze.

Vitórias
Neste ano, ao todo, 95 alunos dos cursos técnicos em Eletrônica e Telecomunicações realizaram as provas da primeira fase da competição na modalidade teórica, aplicadas em junho no Câmpus Goiânia. Desses, sete foram classificados para a segunda fase da modalidade da olimpíada, que ocorreu em agosto na Universidade Federal de Goiás (UFG). No resultado final, a vitória foi conquistada pelo estudante Tiago Bernardes, que ganhou medalha de prata. Além disso, o Câmpus Goiânia, por meio da equipe GynBot Yotta, também foi premiado na OBR 2017 no prêmio Maker na etapa estadual (Leia mais).

Para Tiago Bernardes, foi muito gratificante receber sua primeira medalha logo na primeira vez em que participou da OBR . Segundo ele, isso significou o reconhecimento de seus esforços nos estudos. Tiago esclarece que, pra quem deseja competir na OBR, é preciso dominar os conteúdos de Física, Matemática e algumas matérias técnicas de Robótica, como programação. O estudante, que está concluindo o curso técnico, revela que os planos são de entrar para a faculdade e cursar Medicina, aliando, se possível em sua carreira, os conteúdos da área de robótica na futura graduação.

A medalha foi entregue ao estudante no Câmpus Goiânia pelo chefe de departamento acadêmico 4, Hipólito Barbosa, juntamente com o professor Fábio Marques. Para o ano que vem, o professor Fábio Marques deseja uma maior participação dos alunos do câmpus na olimpíada. “Pro ano que vem, a ideia é apresentar trabalhos e/ou competir com uma equipe. Mas essas conquistas só são possíveis graças à integração de alunos de vários cursos, com o objetivo de realizar um divertimento tecnológico, divertir com tecnologia, que podem ser as profissões do futuro amanhã.”, ressalta o docente.

Mostra Nacional de Robótica
Além das conquistas na etapa estadual da olimpíada, estudantes e professores do Câmpus Goiânia que participam da equipe de robótica GynBot Yotta marcaram presença na etapa nacional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), que ocorreu de 7 a 11 de novembro, em Curitiba (PR).

No evento, estudantes da equipe apresentaram trabalho na Mostra Nacional de Robótica de título: Sistema de Automação Residencial de Baixo Custo Utilizando Hardware e Software Livres com Foco em Portadores de Necessidades Especiais. O projeto de iniciação científica no ensino médio é desenvolvido pelos estudantes de Eletrônica e integrantes da equipe GynBot Yotta, Felipe Oliveira Prado e Jairo Gomes da Silva Neto, com a orientação do professor Ênio Prates Vasconcelos Filho.

Na mostra, os alunos apresentaram pôster do estudo, que desenvolve automação residencial de baixo custo, com a utilização de hardwares e softwares livres, com objetivo de atender ao público com mobilidade reduzida. Segundo os alunos envolvidos na pesquisa, Felipe Prado e Joiro Gomes, eles desenvolveram um sistema automatizado de portas e tomadas, que foi aplicado a uma maquete de uma residência. A outra parte do estudo é a implementação de um sistema de acionamento da automação residencial por meio de comando de voz, tudo isso, reutilizando materiais eletrônicos.

 

Equipe GynBot Yotta durante participação na etapa nacional da Olimpíada Brasileira de Robótica 2017, em Curitiba (PR).


Coordenação de Comunicação Social do Câmpus Goiânia.

 

Fim do conteúdo da página