Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
FÓRMULA DRONE

Estudantes do IFG participam de competição de drones

SAE Brasil Fórmula Drone acontece em Itajubá (MG) e reúne estudantes do ensino profissional técnico de nível médio de todo país

  • Criado: Quinta, 01 de Agosto de 2019, 17h54
  • Última atualização em Segunda, 19 de Agosto de 2019, 09h44
Competição de drones acontece em Itajubá (MG) de 1 a 4 de agosto
Competição de drones acontece em Itajubá (MG) de 1 a 4 de agosto

Sete estudantes dos cursos técnicos integrados do Câmpus Águas Lindas do Instituto Federal de Goiás (IFG), acompanhados pelos professores Renato Veloso e Bruno Rodrigues, participam do projeto SAE Brasil Fórmula Drone, que ocorre em Itajubá, Minas Gerais, de 1 a 4 de agosto.

A competição, que acontece desde 2016, fica a cargo da Sociedade Brasileira da Tecnologia da Mobilidade. Voltada a estudantes e professores do ensino profissional técnico de nível médio de todo país, a iniciativa possui caráter educacional e visa incentivar a pesquisa e o empreendedorismo.

Para garantir a participação na competição deste ano, a equipe teve que desenvolver o detalhamento do projeto, a construção do drone e testes, até colocá-lo efetivamente à prova diante de outros projetos congêneres.

Em Itajubá, os estudantes terão que fazer apresentação oral para comissão avaliadora e, em seguida, haverá quatro missões a cumprir: decolagem, medição de alvo, alijamento dinâmico de objeto em alvo, passagem por frames, e transporte de carga entre dois pontos.

O professor Renato Veloso reafirma a importância da participação no evento, que busca estimular novos conhecimentos na área de pesquisa e inovação tecnológica: “Cada parte do projeto, desde a construção até o voo foi um aprendizado, no qual apoiamos os alunos e aprendemos, sobretudo, com os nossos erros”.

Na montagem e planejamento, os estudantes fizeram uso de diversas áreas de conhecimento, como geoprocessamento, mecânica, robótica, língua inglesa e matemática. Um importante auxílio também foi dado pelo engenheiro agrícola Gustavo Veloso, que contribuiu com as peças e orientação do projeto.

Quem irá pilotar o drone será o estudante Lucas Enri, que admite sentir vontade de logo montar o seu próprio aparelho. “Alguns dias foi preciso ficar até tarde estudando no câmpus, e é muito compensador ver algo que a gente montou pegando voo”, declara.                                                                                           

O capitão da equipe, Vitor Moraes, conta que desenvolver o equipamento trouxe uma ampla aprendizagem à equipe: “tivemos pouco tempo, então foi necessário dividir o grupo, o que possibilitou o conhecimento em diversas áreas”, afirma.

 

Comunicação Social / Câmpus Águas Lindas

Fim do conteúdo da página