Ações institucionais

Câmpus Goiânia Oeste se mobiliza para desenvolver ações de enfrentamento ao coronavírus

São várias ações e a primeira preocupação foi com estudantes em situação de vulnerabilidade social

  • Imprimir
  • Criado: Terça, 05 de Maio de 2020, 09h46
  • Última atualização em Terça, 26 de Maio de 2020, 16h57
imagem sem descrição.

 “Nossa primeira preocupação, quando iniciou o processo de isolamento social, foi com os estudantes em situação de vulnerabilidade social”. Com essa preocupação e outros desafios, conforme relato do diretor-geral Cleberson Pereira Arruda, a comunidade acadêmica do Câmpus Goiânia Oeste do Instituto Federal de Goiás (IFG) se mobiliza, desde o início da pandemia, com o propósito de contribuir para o enfrentamento ao coronavírus e à Covid-19. A mobilização resulta no desenvolvimento de ações em várias áreas e vão desde a arrecadação de recursos e a doação de alimentos, passando por ações de escuta e acolhimento de alunos, reuniões e rodas de conversa com estudantes, pais e responsáveis, até a produção de álcool 70% glicerinado que deverá começar ainda neste mês.

Em abril, a Direção-Geral realizou ação com servidores e terceirizados, para manter o diálogo. “Fizemos uma ação de sensibilização com os servidores docentes, técnicos e terceirizados, fazendo um chamamento para que, mesmo no momento de isolamento, que a gente mantenha o contato e, caso estiverem precisando de alguma coisa, que entrem em contato. Estamos abertos também para sugestões, sempre muito importantes”, destaca o diretor-geral, Cleberson Arruda.

Famílias de estudantes em vulnerabilidade social estão sendo assistidas por um dos projetos e, a seguir, é possível conferir as ações em desenvolvimento, até o momento.

 

Campanha Solidária: Uma Escuta Necessária – Em face dos desafios globais inerentes a pandemia, sabe-se que, um deles, é garantir alimentação aos mais vulneráveis. Nessa perspectiva, vários setores do câmpus se uniram em uma ação que foi realizada em abril, por meio de sensibilização dos servidores e com a arrecadação de recursos financeiros para aquisição de cestas de alimentos padronizadas para serem doadas às famílias dos estudantes em situação de vulnerabilidade social.

“Nossa primeira preocupação quando iniciou o processo de isolamento social foi com os estudantes em situação de vulnerabilidade social e, imediatamente, solicitamos da Gepex o levantamento, pois a equipe da Coordenação de Assistência Estudantil possui acesso ao sistema que apresentam os dados e os índices de vulnerabilidade. Fiz contato com os estudantes, por telefone e por WhatsApp, e consegui falar com a maioria dos estudantes listados nessa condição. A partir daí, iniciamos a campanha e foi muito bem acolhida pelos servidores do Câmpus”, ressalta o diretor-geral Cleberson Arruda. 

 

Com os recursos obtidos foram adquiridas cestas padronizadas
Com os recursos obtidos foram adquiridas cestas padronizadas


Com a colaboração de docentes, técnicos-administrativos e pessoas da comunidade externa, a campanha arrecadou o montante que possibilitou a aquisição de 40 cestas com 18 itens, que incluem: arroz, açúcar, feijão, óleo de soja, biscoito, farinha de mandioca, sal refinado, café, extrato de tomate, achocolatado em pó, macarrão, sabão em barra glicerinado e sabonetes.

Também foram doadas outras 7 cestas de alimentos por parte de servidores que já dispunham das cestas para doação e que ficaram sensibilizados com a campanha. Até o momento, 33 famílias de estudantes já foram atendidas, e o Câmpus Goiânia Oeste está realizando um mapeamento, para que a campanha atenda, efetivamente, os mais vulneráveis neste cenário atual.

O mapeamento está sendo realizado pela coordenação de Assistência Estudantil, coordenações de Cursos e pela direção-Geral do câmpus. Nesta semana serão distribuídas as outras 7 cestas padronizadas para estudantes com famílias em situação de vulnerabilidade social. De acordo com o diretor-geral, a campanha será contínua: “sabemos que há algumas famílias que demandam bastante de alimentos nesse momento de pandemia e de desemprego”.

 

Rodas de Conversa – Para dialogar sobre o momento de pandemia, os impactos do isolamento social nas famílias e na vida da comunidade acadêmica, além de divulgar as ações que estão sendo desenvolvidas pelo Câmpus Goiânia Oeste e pelas demais unidades do IFG, estão sendo realizadas rodas de conversas virtuais com gestores, estudantes e pais ou responsáveis.

O primeiro encontro foi realizado no último dia 23 de abril e contou com a participação e interação de estudantes dos cursos de Licenciatura em Pedagogia e do Técnico em Enfermagem. No dia seguinte foi realizada a roda de conversa com estudantes dos cursos técnicos integrados em Vigilância em Saúde, Nutrição e Dietética e Análises Clínicas, bem como com os pais ou responsáveis.

As rodas de conversa são momentos importantes, uma vez que nesses encontros, gestores, docentes, estudantes e servidores técnicos do Departamento de Áreas Acadêmicas podem trocar ideias, tirar dúvidas e manterem-se próximos, mesmo que virtualmente. Na segunda quinzena do mês de maio, outras rodas de conversa serão promovidas objetivando a ampliação dos diálogos entre a comunidade acadêmica do câmpus.

“As rodas de conversas e as reuniões com representações estudantis são ações que tem um objetivo maior, que é o de manter esse contato com os nossos estudantes, no sentido de dizer que a gestão está aqui e que quer ouvi-los. Para além desse objetivo geral, também dizer das nossas demandas e desafios, não só nesse momento de pandemia”, ressalta o professor Cleberson Arruda, diretor-geral.

 

Reuniões com representações estudantis – A importância do diálogo contínuo com as representações estudantis do câmpus, fez com que a direção-geral realizasse, em abril, duas reuniões com o Centro Acadêmico Walkíria Afonso Costa e com o Grêmio Estudantil Novo Oeste. Na primeira reunião, no último dia 17 de abril, foram pautados: a análise do cenário atual da pandemia; as ações do IFG, do Conselho Superior (Consup), do Colégio de Dirigentes (Codir) e da equipe gestora ampliada do câmpus. Além destas ações, foram apresentadas as propostas e ações do Departamento de Áreas Acadêmicas, da Coordenação de Apoio ao Discente (CAPD) e das Coordenações de Cursos, da Gerência de Pesquisa e Extensão (Gepex), da Coordenação de Assistência Estudantil, bem como as demandas estudantis.

A segunda reunião foi realizada no último dia 28 e foram abordados os seguintes assuntos: esclarecimentos sobre reuniões no âmbito da gestão do câmpus, com a participação de estudantes e orientações sobre solicitações e encaminhamentos das representações estudantis para os setores da unidade; espaços para o Centro Acadêmico; para o Grêmio Estudantil; para a equipe de Gestão Ampliada, além de outros setores. A próxima reunião já tem data definida e será realizada no dia 19 de maio.

 

#ConversAção em Rede - O distanciamento social, em função da Covid-19, não precisa ser sinônimo de solidão e, pensando nisso, a Coordenação de Assistência Estudantil, por meio do serviço de Psicologia, oportuniza aos estudantes do Câmpus Goiânia Oeste um espaço/tempo para escuta de angústias, anseios e medos diante do momento que estamos vivenciando. “É uma ação muito importante, voltada aos estudantes que estão precisando de algum aconselhamento ou comunicação direta de algum profissional”, reforça o diretor-geral.
De acordo com a Coordenação, é um momento para conversa e para o desenvolvimento da comunicação dinâmica, reflexiva e de intercâmbios. Não é psicoterapia, mas um espaço de acolhimento e de estreitamento dos laços entre a comunidade acadêmica.

A imagem está sendo divulgada aos estudantes
A imagem está sendo divulgada aos estudantes

 

Para acesso ao serviço basta enviar uma solicitação para o aline.ferro@ifg.edu.br. O estudante deverá enviar nome completo, curso e o telefone para que o contato possa ser realizado.


Projeto de Pesquisa – “Estudo multicêntrico de avaliação epidemiológica das Infecções Bacterianas Relacionadas à Assistência em Saúde, em usuários da saúde diagnosticados ou não com COVID-19, pelo monitoramento digital no âmbito das Comissões de Controle de Infecções Hospitalares” é o título do projeto de pesquisa tem como objetivo principal realizar a análise epidemiológica das Infecções Bacterianas Relacionadas à Assistência em Saúde (IBRAS), por meio do monitoramento com auxílio de uma ferramenta digital. A pesquisa será realizada em 20 hospitais (sendo 10 no estado de Goiás e outros 10 no estado de São Paulo), com financiamento do Ministério da Saúde na ordem de R$ 12 milhões. O IFG já recebeu esses recursos e a coordenação do projeto é de um professor do Câmpus Valparaíso. Além daquela unidade e do Câmpus Goiânia Oeste, o Câmpus Águas Lindas também integra a pesquisa.

No câmpus Goiânia Oeste a equipe é formada por 9 docentes (especialistas, mestres, doutoras). A pesquisa será realizada por um período de 18 meses, com início efetivo após o parecer emitido pelo Conselho Nacional de Saúde (Conep) e após a anuência das instituições. Saiba mais: http://ifg.edu.br/ultimas-noticias/17662-recursos-combate-a-covid19

 

Projeto de Extensão - De iniciativa da Universidade Federal de Fluminense (RJ), e a convite do Ministério da Saúde, que é a agência financiadora do projeto, o IFG participa da execução da ação de extensão intitulada “Telemonitoramento de portadores de Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Estado de Goiás", por meio dos câmpus Goiânia Oeste e Águas Lindas. 

O objetivo principal é monitorar usuários de saúde, egressos de internação hospitalar e portadores de doenças crônicas não transmissíveis no estado de Goiás. Por parte do Câmpus Goiânia Oeste, integram o projeto 7 servidoras (docentes e técnicas administrativas), todas com formação superior em Enfermagem. Também está prevista, quando do retorno das aulas, a participação de 10 estudantes do curso técnico integrado em Enfermagem da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A previsão é que a execução do projeto seja realizada durante 6 meses, a partir da data de início no mês de abril.

“Tanto esse projeto quanto o de pesquisa, o Câmpus Goiânia Oeste foi contemplado como unidade que possui o Eixo Ambiente e Saúde como um dos seus eixos de verticalização”, complementa Cleberson Arruda, diretor-geral.

 

Produção de Álcool 70% Glicerinado - A partir do projeto iniciado em março pelo Câmpus Luziânia, com a produção de álcool a 70% (líquido e em gel), o Câmpus Goiânia Oeste iniciará, nas próximas semanas, a produção de álcool 70% glicerinado. A equipe aguarda os insumos que estão sendo adquiridos pela Pró-Reitoria de Administração, para iniciar a produção. O trabalho será coordenado pela professora Karla de Aleluia Batista, que assinará como responsável técnica da produção, conforme exigência normativa.

Inicialmente a produção será destinada às comunidades vulneráveis das regiões Oeste e Noroeste de Goiânia e, quando do retorno às atividades presenciais, o projeto selecionará quatro estudantes bolsistas, sendo dois dos cursos técnicos e dois do curso de Licenciatura em Pedagogia, para atuarem em nova etapa, com previsão de distribuição para centros municipais de Educação Infantil e para escolas municipais e estaduais. “Vamos priorizar os espaços públicos em que a educação acontece para fazer a distribuição, mas pretendemos atuar também em espaços não formais de educação”, afirma o diretor-geral Cleberson Arruda.

As ações do Câmpus Goiânia Oeste somam-se às demais ações que o IFG está realizando com o total envolvimento dos câmpus e da Reitoria. As notícias sobre as ações podem ser acessadas aqui. Há também um formulário para cadastramento de novas ações. Por meio das respostas ao formulário, o IFG pretende mapear todas as ações em desenvolvimento nesse momento de pandemia pelo coronavírus.