Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Busca
Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
workshop

Palestrantes expõe as necessidades de mudança no atual modelo de produção e consumo de energia

Criado: Quarta, 09 de Agosto de 2017, 16h58 | Última atualização em Segunda, 14 de Agosto de 2017, 13h06

E ainda destacam as vantagens de uso de matrizes energéticas de origem renovável

O Câmpus Itumbiara realizou esta semana o I Workshop Sobre Fontes Renováveis de Energia, evento que reuniu diversos especialistas para tratar do uso de diferentes matrizes energéticas no Brasil e no mundo e sobre a expansão do mercado de energia solar, particularmente no Brasil. Ainda foram temas de discussão as normas de segurança em instalações elétricas e modelos de micro e mini geração de energia.


A energia renovável é aquela oriunda de um recurso natural e que tem a característica de ser não esgotável, como por exemplo: a biomassa (produzida a partir de matéria orgânica), o biogás (acontece com a ação de microorganismos em um ambiente anaeróbico), fotovoltaica (conversão da energia luminosa em elétrica), hídrica ou hidráulica (gerada pelo potencial da água) e eólica (obtida pelo movimento do ar).


E por qual motivo é necessário se discutir as possibilidades de uso dessas diferentes fontes de energia? Porque “é insustentável o atual modelo de geração e distribuição” que provoca mais prejuízos do que benefícios, explicou o presidente da empresa BASE Energia Sustentável, Demóstenes Barbosa Silva. O palestrante disse ainda que as mudanças climáticas e o aquecimento global estão diretamente ligados ao atual modelo de produção de energia, e por isso “não importa onde seja feita a emissão dos gases poluentes, eles se equalizam na atmosfera e se somam a um problema global”. Daí então a necessidade de se aumentar o uso de energias limpas.


A boa notícia é que o Brasil “está em uma posição confortável” devido à grande incidência de luz solar durante todo o ano, o que contribui para que a instalação de sistemas de placas fotovoltaicas seja cada vez mais atrativa para o consumidor final e para os pequenos projetos, afirmou o palestrante Eduardo Guimarães.

“O consumidor está passando por um processo de evolução, saindo da posição neutra para consumir de forma mais eficiente” ao fazer uso de fontes de energia limpa, barata e renovável", afirmou Eduardo Guimarães.


Vantagens
Corroborando essa afirmação, os engenheiros da Alsol Energias Renováveis, Rodrigo Latuf de Andrade e Vitor Garcia Pacheco apresentaram os modelos de implantação de sistema fotovoltaico em áreas residências e comerciais, e explicaram os fatores que são levados em conta para avaliar o potencial ou não de determinada região para receber a instalação de painéis solares.


Além de salientar as vantagens do uso de fontes de energia limpa para o meio ambiente (como a não emissão de gases poluentes), eles demostraram os ganhos do consumidor ao gerar sua própria energia, que é a de obter uma economia de até 90% na conta de luz e a possibilidade de receber da concessionária, em forma de crédito, aquela energia produzida e não utilizada. O que permitiria ao consumidor fazer uso desse “saldo” por um prazo máximo de 60 meses (05 anos).


Segurança
A última atividade do Workshop, realizada na tarde de hoje, 09, foi um minicurso sobre segurança, ministrado pelo consultor Vinicius Ayrão. O palestrante chamou a atenção para importância das normas técnicas, particularmente para a NBR 5410 que trata das normas de segurança em instalações elétricas de baixa tensão. Além da proteção do próprio profissional, Ayrão comentou sobre a necessidade de atuar de acordos com as normas e leis vigentes, pois a falha na execução de um projeto de engenharia envolve um significativo número de vítimas e afirmou: “Lembrem-se que vocês não têm o direito de colocar outras pessoas em risco” no que diz respeito ao desempenho das atividades profissionais.

 

Veja fotos do evento aqui

 

Setor de Comunicação Social e Eventos – Câmpus Itumbiara.

Fim do conteúdo da página