Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
IV EJA EM AÇÃO

"Minha maior motivação era não ver mais minhas mãos sujas de graxa" celebra egresso do Secretariado

Criado: Sexta, 03 de Maio de 2019, 10h11 | Última atualização em Segunda, 06 de Maio de 2019, 14h27
imagem sem descrição.

O IV EJA em Ação começou na noite desta quinta-feira, dois de maio. O evento promovido pelo Câmpus Jataí do  Instituto Federal de Goiás (IFG) e pelo Sinasefe Jataí foi aberto com a mesa-redonda,  “Motivação e Superação: trilhando caminhos do sucesso”, onde a temática foi debatida pela pedagoga Fanny do Nascimento e pela cooperativista Wilma  Cabral de Assis.

A comunidade acadêmica do IFG e os estudantes do EJA da Rede Municipal de Jataí foram agraciados com recital de poemas, apresentação de dança e musical. Além disso, o grupo de teatro Art’cum Pequi, da Universidade Federal de Jataí (UFJ), performou arranjo cênico “Chico... poesias”, que navega de forma teatral composições de Chico Buarque.

A diretora-geral do Câmpus Jataí, professora Mara Rúbia Morais, destacou que não podemos pensar na Educação como um projeto unicamente pessoal. “Devemos pensar que a Educação é fundamental para a transformação, não apenas pessoal, mas social. O IFG aponta um projeto de sociedade, voltado ao bem comum e orientado para a universalização do acesso à educação de qualidade e transformadora”, celebrou.

Da mesma forma a subsecretaria regional de Educação de Jataí, Vilma Feitosa, discursou a favor da Educação como suporte para a mudança social. Já o chefe do Departamento de Áreas Acadêmicas do Câmpus Jataí, professor Manoel Napoleão, relembrou os novos cortes ao orçamento das Instituições Federais de Ensino como tentativa de desmonte da educação pública e do projeto de Educação como motor para a transformação social.

Por fim, a coordenadora do curso técnico em Secretariado na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), professora Marliane Dias, apontou o papel que a EJA exerce na vida de trabalhadoras e trabalhadores de escolarização tardia. Marliane também convidou os estudantes da Rede Municipal a conhecerem o IFG e se inscreverem na seleção para o curso de Secretariado, que segue até o dia 19 de maio.

MESA REDONDA

As convidadas Fanny do Nascimento e Wilma Cabral Assis apontaram caminhos para a motivação. O principal caminho apontado pela pedagoga Fanny do Nascimento é a motivação pessoal, ou o individualismo como motor de mudança na própria perspectiva de vida. Já Vilma Cabral Assis apontou o trabalho em conjunto e a importância da colaboração para a superação de obstáculos, focando na experiência da Cooperativa Mista Agropecuária do Rio Doce (Coparpa).

A atuação da Coparpa é exemplar para a atuação da agricultura familiar. A cooperativa é sediada no assentamento Rio Paraíso e reúne centenas de  famílias assentadas em diferentes áreas de reforma agrária nos municípios do Sudoeste goiano.

MESA REDONDA

Mediados pelo professor Junio Cesar Ferreira Silva, egressos do curso de Secretariado contaram ao público do IV EJA em Ação, quais caminhos trilharam na perspectiva da educação de jovens e adultos. Em comum, Adriana de Azevedo Gonçalves, José Eduardo Gomes Lima, Rosa Aparecida Ferreira da Silva e Jusciane Ferreira Barros compartilharam o sentimento de vitória ao concluir o curso e alterar a trajetória profissional.

Adriana narrou que depois de vários anos fora do espaço educacional, o Secretariado lhe deu novas perspectivas “comecei a fazer Secretariado pensando só no diploma do Ensino Médio e hoje faço Pedagogia,” festeja. Já Rosa Aparecida segue trabalhando na mesma empresa, só mudou de função. “A gente não é vista como pessoa, quando trabalha de doméstica, de serviços gerais. Fiz o curso de Secretariado e consegue estagiar lá mesmo, depois que saí do IFG fui efetivada na função de Secretaria”, comemora.

“Minha maior motivação era não ver mais minhas mãos sujas de graxa”, sentenciou José Eduardo. O egresso, que hoje cursa Ciências Contábeis relata que antes de chegar ao IFG, sua intenção era simplesmente ter um diploma do Ensino Médio, mas “depois que comecei o curso, vi que não queria mais trabalhar como mecânico de motos, até ganhei menos quando mudei de emprego, mas a satisfação de me ver em um trabalho limpo foi fundamental”, celebrou.

 

Leia o que já foi publicado sobre o IV EJA em Ação

Veja o álbum de fotos

Coordenação de Comunicação Social/Câmpus Jataí

Fim do conteúdo da página