Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Extensão

Especialista explica como o racismo pode levar ao adoecimento psíquico das pessoas negras

Criado: Quinta, 05 de Setembro de 2019, 20h29 | Última atualização em Quinta, 05 de Setembro de 2019, 20h44

Na noite desta quarta-feira,04, aconteceu a mesa-redonda: "Racismo e Saúde Mental" dentro da programação da III Semana da Consciência Étnico-Racial. A atividade contou com a presença do psicólogo e psicanalista Francklin Lino e o do estudioso (e, também, morador) do Quilombo Mesquita Manoel Barbosa

Da esquerda para a direita: Manoel e Francklin
Da esquerda para a direita: Manoel e Francklin

 "Tudo aquilo que se refere ao povo negro ganhou atributos negativos", conta o psicólogo Francklin sobre o racismo na sociedade brasileira. O especialista começou explicando sobre os processos conscientes e inconscientes do aprendizado, relatando o processo desde a infância.

Francklin ressalta que "todo ser humano sofre" mas alerta: "só que no caso do negro tem este agravante: o racismo, esta estrutura que vai dar um lugar para a gente na sociedade" e mais: "Então, a gente tem esta cultura que adoece".

 

Mesa-redonda: da esquerda para a direita- Manoel, Francklin, professora Thaís Rodrigues e professor Luiz Fernando (os dois últimos mediadores do debate)


Quilombo Mesquita
Aquilombado, este é o termo para quem não nasceu em um quilombo mas se identifica com ele. Este é o caso do Manoel Barbosa, que é bahiano mas mora desde 2006 no Quilombo Mesquita (localizado em Cidade Ocidental-GO). Manoel escreveu o livro "Quilombo Mesquita, História, Cultura e Resistência". Durante a mesa-redonda, Manoel logo no início lembra: "Você dizer que todo mundo tem o mesmo direito, não é verdade. Porque o sistema não permite. Então, a melhor forma para você negar algo é dizer: todos são iguais".

 

Manoel apresentou um pouco do Quilombo Mesquita, mostrou fotos, contou um pouco sobre a história do povo da região: "porque lá, os quilombolas são descendentes de angolanos". Falou um pouco dos produtos produzidos no local, como marmelada; sucos e chás, vindo do quiabo-de-angola.

 

A III Semana da Consciência Étnico-Racial do IFG Câmpus Valparaíso encerra nesta quinta-feira,05. Veja aqui toda a programação.

 

Veja mais fotos em: www.facebook.com/ifgvalparaiso/

 

Coordenação de Comunicação Social/Câmpus Valparaíso

Fim do conteúdo da página