Tecnologia  

Estudantes são premiados na Campus Party Brasília

Evento foi realizado até ontem, 23, no Estádio Mané Garrinha, e contou com a participação de mais de 100 pessoas do IFG

  • Imprimir
  • Criado: Segunda, 24 de Junho de 2019, 10h52
  • Última atualização em Quinta, 11 de Julho de 2019, 16h23
Ganhadores de prêmios na Campus Party Brasília
Ganhadores de prêmios na Campus Party Brasília

Primeiro lugar no desafio da Oficina de Chão (promovido pela Coca-Cola), com o Robô Sputnik, a equipe mista do Instituto Federal de Goiás (IFG – Câmpus Goiânia), Eduardo Vinícius, Joiro Gomes e Múria Viana, e do IF Goiano – Câmpus Trindade, Geraldo Murilo, comemoraram a vitória na Campus Party Brasília. O evento ocorreu durante toda a semana passada e ainda conferiu mais prêmios ao IFG. No segundo lugar ficou ainda a equipe formada por alunas do Câmpus Luziânia, Giovanna Nogueira, Eduarda Xavier e Letícia Xavier.

Na Oficina de Chão, de Alexandre Ferreira, os participantes usaram latas da Coca-Cola para aprender Robótica e construir um pequeno Robô de Mobilidade. Ao final, os projetos criados foram analisados e os primeiros colocados ganharam prêmios. O terceiro lugar ficou com a equipe do Câmpus Inhumas, Gabriel Eduardo, Ronan Júnior, Stéfani de Paula e Fábio Filho. O robô-copo afere a temperatura do produto e por meio de um LED (verde/vermelho) mostra se está ou não adequado para o consumo.

O reconhecimento público ao Instituto também foi com o desafio do Hackathon (feito pela Campus Party). Os professores Audir da Costa Oliveira Filho, Christiane Borges Santos, Lucas Ribeiro e Robson Barbosa ganharam o 3º lugar no Hackathon Aprender Bem. Eles criaram um jogo Web de RPG para o ensino-aprendizagem de disciplinas da área de exatas para cursos do ensino médio. O sistema desenvolvido pode ser implementado tanto para os cursos do IFG, como para as escolas municipais e estaduais. A equipe vencedora é do Câmpus Luziânia.

Para a professora desse câmpus, Christiane Borges Santos, que foi uma das palestrantes no evento, é gratificante “ver os alunos do IFG Luziânia participando em peso das atividades, desenvolvendo projetos e sendo reconhecidos. O terceiro lugar no hackathon foi motivador, pois é uma ideia que tem boas chances de ser implantada, não só no nosso câmpus, mas sim em diversas instituições de ensino, por utilizar ferramentas livres e de baixo custo”, comenta.

E não tinha só professor palestrando não. Egressa do Câmpus Formosa, do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Josilene Fernandes proferiu a palestra Design Thinking e Canvas, no palco Criativity. O tema, voltado para a área de negócios, foi abordado pela atual analista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) como etapas para criação de um novo negócio, tanto para vendas, como para a oferta de um novo serviço. Questões importantes citadas pela palestrante ao se pensar em ser um novo empreendedor precisam ser pensadas no planejamento: “Por que estamos criando? Quem é seu público? Qual a faixa etária? Qual problemas estamos ajudando a resolver? Que conjunto de produtos e serviços estamos oferecendo para cada segmento de cliente?”, afirma.

A egressa conta que já havia participado de duas edições da Campus, como estudante do IFG, e que agora estava aproveitando uma nova oportunidade, proporcionada também pela Instituição, “que é ser palestrante”. Sobre o tema abordado, Josilene afirma que “o assunto trazido aqui foi trabalhado no IFG, que me trouxe muitas possibilidades, até de participar do evento. Estou aqui representando o IFG também. Eu já fazia pesquisas quando estudava, para desenvolvimento de projetos, dava minicursos. Já participei de projeto de pesquisa e de extensão, como voluntária”, afirma.

 

Integração

Além das premiações, foram dias de convivência, integração, imersão em conhecimento, pesquisa, empreendedorismo e tecnologia. Estudantes, professores, servidores, visitantes e até crianças tiveram oportunidades de participar das palestras, workshops, desafios e brincadeiras. Todos em um espaço onde as ideias podem ser concretizadas, vistas na prática, os projetos discutidos e a tecnologia a serviço do desenvolvimento. É como uma fábrica de ideias, em que predomina a integração entre teoria e prática.

Campuseiro no evento, o estudante de Sistemas de Informação do Câmpus Goiânia Reinaldo Lima ressalta que a oportunidade que a Instituição oferece de participar de um evento como este é única, além de ser um espaço para desenvolvimento de projetos, trabalhos, onde “todo mundo fica junto e misturado”. Segundo o aluno, “Os workshops são feitos com pessoas de referência e sempre agregam bastante pra gente, é um norte pra gente conhecer mais a área que vamos querer trabalhar especificamente. A gente precisa ter essas experiências fora da academia, no mercado a gente não terá essa oportunidade. Pelo que vi é uma das únicas instituições que proporciona isso pra gente, estou muito feliz”, conta.

A estudante do curso de Engenharia Elétrica do Câmpus Itumbiara, Camilla Andrade dos Santos Paiva, também relata a importância da oportunidade de poder participar pela primeira vez do evento, pois na cidade onde mora não há atividades grandiosas como a Campus Party. “Parece que aqui o pessoal enturma, se comunica mais, a gente vê coisas diferentes, tem interação. Acho que essa vinda vai contribuir muito no dia a dia das aulas na instituição, principalmente agora que pretendo começar atividades de pesquisa. Estou esperando o resultado do PIBIC”, diz.  

As bancadas do Instituto ficaram agitadas durante a semana, tinha até um boneco gigante, o super-herói Homem de Ferro. Não tinha quem não passasse por lá para tirar uma foto e registrar, e ainda fazendo a pose do boneco. Momentos marcantes também foram de “gritos” coletivos de Ohhhhhh (assista aos vídeos 1 e 2), algo que se parece como a “ola” realizada pelas torcidas em jogos de futebol, onde todos gritam e levantam os braços no estádio. Nessa hora, a galera acordava e se reafirmava como um participante efetivo da Campus Party, envolta a tantas atividades.

A caravana do IFG recebeu muitos elogios. Foram mais de 100 pessoas que passaram pelo evento, uns acampados e outros em visitas diárias, como comenta o professor do Câmpus Goiânia e embaixador da Campus Party Brasília, Sanderson Maeco, o Sandeco. Ele se diz orgulhoso do grupo efegiano. “Queria dizer que estou muito orgulhoso da nossa caravana IFG, na Campus Party Brasília, e dos meninos que participaram do desafio da Cola-Cola, dizer que sou muito feliz por ser professor e trazer vocês aqui pra Campus, e vocês mostrarem que o IFG tem feito diferença na educação do país”, relata.

O professor comenta ainda que a Instituição está no caminho certo ao oportunizar aos estudantes participação efetiva em eventos como a Campus, levando os alunos para esses movimentos. “É como temos discutidos esses dias no Fórum Educação no Futuro, que entretenimento com educação, alegria e diversão, é a grande saída para a educação. Digo alegria, pois aprender é uma grande alegria. Por isso que a gente investe tempo, recursos financeiros e humanos, para que os estudantes possam ter um ambiente de crescimento. É assim como uma planta, que se a gente plantar no lugar certo e der estrutura pra ela crescer, ela vai crescer”, finaliza o professor.

As caravanas do IFG passaram por todos os dias no evento, com estudantes e professores acampados e outros apenas participando da programação. Passaram pelo Mané Garrincha pessoas dos câmpus Águas Lindas, Itumbiara, Luziânia, Inhumas, Uruaçu, Goiânia, Valparaíso, Senador Canedo e Anápolis e servidores da Reitoria.

Campus Party Goiás

Para Goiás, a novidade é a realização do evento pela primeira vez. A data já está marcada: 4 a 8 de setembro. O local ainda não será definido, mas haverá chamadas para proposição de atividades, a serem divulgadas no site nacional do evento: https://brasil.campus-party.org. O evento foi lançado durante a Campus Party Brasília e contou com a presença de estudantes e servidores do IFG.

O professor do Câmpus Itumbiara Ricardo Oliveira diz que a participação na Campus Brasília é uma preparatória para a Campus Party Goiânia. “É a primeira vez que participamos, está bem organizado, e vai contribuir para uma prospecção do evento de Goiânia, que será inclusive organizado também pelo IFG. É um evento um pouco diferente dos acadêmicos, tem interação, troca de experiências, tecnologia que podem ser inseridas na prática docente e como formas de aproximação com a sociedade, por meio da inovação”, finaliza.

Veja as fotos no álbum no facebook.

Diretoria de Comunicação Social/Reitoria.