Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
CÂMPUS GOIÂNIA 80 ANOS

Comunidade lembra história da Capital durante comemoração do aniversário do Câmpus Goiânia

Festividade remeteu também à comemoração dos 80 anos do Batismo Cultural do município, cuja história se entrelaça com a inauguração do câmpus em 5 de julho de 1942

  • Criado: Segunda, 04 de Julho de 2022, 18h40
  • Última atualização em Segunda, 08 de Agosto de 2022, 09h17
Diretora-geral do Câmpus Goiânia, professora Adriana Reis, discursou durante a solenidade de comemoração dos 80 anos do câmpus
Diretora-geral do Câmpus Goiânia, professora Adriana Reis, discursou durante a solenidade de comemoração dos 80 anos do câmpus

“Aqui é a Escola Técnica, aqui é o Cefet e aqui é o Câmpus Goiânia do Instituto Federal”. A fala é do professor Paulo Miguel da Fonseca, da área de História do câmpus e coordenador da comissão organizadora do evento que inaugurou, no domingo dia 3 de julho, as festividades de 80 anos da instituição. O que o docente disse resume a trajetória de 8 décadas do Câmpus Goiânia, que inicia no dia 5 de julho de 1942, data em que recebeu a exposição cultural e econômica da nova capital do Estado, que era apresentada para o Brasil naquele momento.

Por esse motivo, as histórias do câmpus e de Goiânia coincidem. No dia 5 de julho daquele ano, ocorreu o Batismo Cultural da cidade e, não por acaso, a Instituição, que na época recebeu o nome de Escola Técnica de Goiânia, abrigou parte da programação do evento que marcou a inauguração oficial da nova capital do Estado de Goiás. A intenção do evento era mostrar a nova cidade ao Brasil, suas potencialidades e beleza, com suas edificações marcadas pelo estilo Art Déco.

Como o câmpus estava pronto para ser inaugurado – com sua estrutura que até então seguia os traços arquitetônicos que deram identidade à Goiânia – o local foi utilizado para a exposição cultural e econômica, cujo objetivo era apresentar aos participantes do Batismo Cultural o que Goiânia tinha a oferecer economicamente ao país. Naquele momento, foram montados vários estandes e uma roda-gigante para atrair a comunidade. A entrada a essa exposição ocorreu pelo pórtico, que assim como as edificações construídas na época (blocos 100 e 200, além do Teatro do IFG), foram tombados como patrimônio Art Déco de Goiânia.

Devido ao evento, as aulas na instituição foram adiadas, iniciando efetivamente em março de 1943. Nesse ano, a Instituição – que havia surgido na então Vila Boa de Goiás com o nome de Escola de Aprendizes Artífices – contava com turmas do ginásio industrial, na modalidade internato e semi-internato para alunos do sexo masculino. Os primeiros cursos ofertados foram Alfaiataria, Artes do Couro, Mecânica de Máquinas, Marcenaria, Rádio e Comunicação e Tipografia e Encadernação. Hoje, são 35 cursos que vão do técnico integrado ao ensino médio, passando pela capacitação técnica subsequente, graduações e pós-graduações, tendo como foco a educação gratuita e inclusiva.

As festividades do Batismo Cultural contaram com a presença do então governador de Goiás, Pedro Ludovico Teixeira, e de várias autoridades e intelectuais. A solenidade de entrega das chaves da nova capital ocorreu no Teatro Goiânia e outras atividades ocorreram também na Praça Cívica. Segundo informações da Secretarial de Cultura do Estado e da Prefeitura, Goiânia foi a única cidade a criar a denominação “Batismo Cultural” para comemorar a sua inauguração oficial. O evento se estendeu até o dia 11 de julho de 1942.

Além de ter recebido a programação do Batismo, outra curiosidade sobre a relação entre o Câmpus Goiânia e a história da Capital é que o então professor e engenheiro-arquiteto Jorge Félix de Souza foi o responsável pela construção do Teatro Goiânia, outro edifício tombado como patrimônio Art Déco e palco da solenidade de lançamento da cidade nas comemorações de julho de 1942. Jorge lecionou na então Escola Técnica de Goiânia desde 1945 e foi diretor da unidade entre 1967 e 1968. O nome dele batiza a biblioteca do câmpus.

Comemoração

Para comemorar seus 80 anos, o Câmpus Goiânia chamou a comunidade para a programação realizada no último domingo, dia 3 de julho. As atividades iniciaram logo cedo, às 7 horas, com concentração dos participantes no pátio do câmpus. Foi pelo Pórtico, mesmo local em que as pessoas entraram para aproveitar as festividades do Batismo Cultural em 1942, que os participantes do evento de 80 anos da Instituição passaram para iniciar a caminhada pelos pontos históricos e turísticos goianienses, na região Central.

Segundo o professor da área de Turismo e Hospitalidade do Câmpus Goiânia, Leonardo Ravaglia, o roteiro da caminhada já faz parte das atividades do curso de Bacharelado em Turismo, o único ofertado por uma instituição pública em Goiás. Pelo caminho, vários edifícios que carregam a identidade Art Déco que dão forma à Capital. Os participantes passaram pela Estação Ferroviária, Grande Hotel, pelo Relógio da Avenida Goiás, Rua do Lazer, Praça Cívica, com término no Bosque dos Buritis. Houve parada também no Beco da Codorna, local que atrai os turistas em Goiânia pela quantidade de painéis de grafite. Para Leonardo, a atividade é simbólica, pois “muitos não conhecem a história da cidade”, comenta.

A atividade foi realizada em parceria com a Prefeitura de Goiânia, por meio da Agência Municipal de Turismo e Lazer (Agetul). Monitores do curso de Bacharelado em Turismo do Câmpus Goiânia, junto a egressa e membro da associação dos guias turísticos do município, Izabella Luzia, auxiliaram nas explanações históricas durante o trajeto da caminhada.

Por volta das 11 horas, ônibus do Câmpus Goiânia buscaram os participantes para a solenidade de aniversário que ocorreu no rol em frente a Biblioteca.

Cerimônia

Compuseram a mesa diretiva da solenidade a diretora-geral do Câmpus Goiânia, professora Adriana dos Reis Ferreira, o representante do presidente da Agetul, Renato Izaac; Kiara Melo, analista do Departamento de Turismo da Agetul; o professor Paulo Miguel da Fonseca, coordenador da comissão organizadora do evento; o professor Weber Tavares, da Assessoria de Planejamento do IFG, representando a reitora, professora Oneida Cristina Gomes Barcelos Irigon; e o estudante e presidente do Centro Acadêmico de História do câmpus, Arthur Ramos.

Em seu discurso, a professora Adriana dos Reis reforçou a importância do Câmpus estar cada vez mais próximo da comunidade e que parcerias, como essa realizada com a Prefeitura e Agetul, sejam mais numerosas. “A importância da gente desde o primeiro momento, não só como instituição de ensino, mas como um lugar público para o público. E é assim que a gente tem feito nos 80 anos e a gente quer servir e melhorar nos próximos 80 anos.”

Renato Izaac, representante do presidente da Agetul, Valdery José da Silva Junior, reforçou que as parcerias com a Instituição estão abertas para que juntos possam “fazer mais pela política do turismo da capital”.

 Além das parcerias e proximidade com a comunidade externa, Adriana lembrou a importância de comemorar os 80 anos da instituição e manter a luta pela valorização educação pública. “A defesa da instituição pública gratuita e de qualidade. Isso é importantíssimo. Então, eu convido todos vocês para esse ano a gente possa não só comemorar, mas para a gente pensar no futuro dessa instituição”, disse.

Também estiveram presentes solenidade o assessor institucional do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura de Goiás, representando o presidente do Crea-GO, o senhor Lamartine Moreira Júnior; o diretor de Turismo e Economia Criativa da Associação Comercial e Empresarial de Goiânia, Décio Coutinho; José Torres, representando o presidente da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet); o coordenador do Grupo Oxumaré de Direitos Humanos de Negritude e LGBT, Marco Aurélio de Oliveira; a pró-reitora de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos, Sandra Abadia Ferreira; pró-reitor de Administração do IFG, Diego Silva Xavier; pró-reitora de Ensino, professora Maria Valeska Lopes Viana; Ana Rita, representando o Conselho Estadual da Mulher o vereador de Goiânia, Mauro Rubem; e a advogada, Marina Sant’anna; além de gestores e servidores do Câmpus Goiânia.

A festividade contou com apresentação do Grupo de Choro do IFG que tocou clássicos de Chiquinha Gonzaga, Hermeto Pascoal, entre outros e de feira de alimentos produzidos e expostos por estudantes do curso técnico em Cozinha EJA do Câmpus Goiânia.

Concurso fotográfico

Durante a solenidade, foram entregues os certificados e premiações aos participantes do concurso fotográfico “Batismo Cultural”, promovido pela Agetul e Câmpus Goiânia por meio do Instagram @goianiapulsa. Kiara Melo, analista do Departamento de Turismo da Agetul, afirmou que o objetivo da ação foi justamente chamar a atenção para a valorização turística da região central de Goiânia e agradeceu a parceria com o câmpus pela realização do concurso que recebeu mais de 80 fotos dos pontos turísticos e históricos Art Déco da capital. Dessas 18 foram selecionadas e expostas no evento de aniversário do Câmpus Goiânia, realizado no domingo, dia 3 de julho. Confira os vencedores abaixo.

Os participantes receberam certificados e a seguinte premiação, de acordo com a classificação: 1º lugar, uma diária para casal com café da manhã no Hotel Plaza Inn Executive; o 2º lugar, um jantar para casal na Churrascaria Favo de Mel; 3º colocado, um café da manhã ou lanche no Tia Nair Café, além de certificados.

Vencedores na categoria comunidade geral:

Avelina Castelo Ribeiro – 1º lugar
Aléssio Alexandre Barbosa - 2º lugar
Lukas Pessoa Dantas – 3º lugar
Confira as fotos dos vencedores

Vencedores na categoria comunidade IFG:
Maurício de Oliveira Mendonça – 1º lugar
Marilena Bandeira – 2º lugar
Patrícia Rocha Oliveira – 3º lugar
Acesse as fotos

Veja as fotos do evento no facebook do Câmpus Goiânia.

  

Coordenação de Comunicação do Câmpus Goiânia do IFG.

Fim do conteúdo da página