Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Busca
Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Cinema

Alunos e profissionais do IFG participam do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros

Criado: Segunda, 17 de Julho de 2017, 11h20 | Última atualização em Segunda, 17 de Julho de 2017, 11h27

Estudantes de cinema do IFG – Câmpus Cidade de Goiás e servidores de outros câmpus do Instituto fazem parte da equipe do XVII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros.

Estudantes do curso de Cinema do IFG Cidade de Goiás e a produtora cultural Ana Paula Mota (direita) na Chapada dos Veadeiros. (Foto: Marcelo Santos Braga)
Estudantes do curso de Cinema do IFG Cidade de Goiás e a produtora cultural Ana Paula Mota (direita) na Chapada dos Veadeiros. (Foto: Marcelo Santos Braga)

O grupo se divide em atividades de comunicação e de captação de imagens e sons. A professora Marcela Borela, do curso de Cinema do IFG Cidade de Goiás, também exibirá o longa-metragem Taego Ãwa, como parte da programação do CINE ALDEIA (Mostra de Cinema Indígena).

O Encontro teve início no sábado, 15, e segue até o dia 30 de julho. A primeira semana é reservada à reunião de diversas etnias indígenas brasileiras, vindas de lugares distantes como o Alto Xingu, Pernambuco, Santa Catarina e Tocantins. Todos se unem na XI Aldeia Multiétnica, que neste ano adquire espaço próprio e fixo, em meio ao cerrado do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, localizado no centro-oeste goiano. Uma estrutura feita de casas e ocas, dedicada especialmente ao trabalho de confluência, fomento e preservação da cultura dos povos originários do nosso país, em toda a sua diversidade. O Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros é realizado há 17 anos, a partir da iniciativa da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge (CCCJ).

Ana Paula Mota, produtora cultural do câmpus Aparecida de Goiânia, é uma das participantes da comitiva. Ela explica que sua contribuição para o Encontro se dá por meio do trabalho de assessoria de imprensa. “Esta é uma oportunidade muito rica para todos os envolvidos neste apoio, principalmente pela natureza dos conteúdos que podem ser gerados a partir desta participação. Entrar em contato com as tradições e saberes dos povos indígenas nos faz aprender diariamente sobre a diversidade cultural brasileira e sobre o respeito que devemos dedicar a estas pessoas, que seguem lutando pelos seus espaços físicos e humanos, mais que legítimos”, relata.

Para Yolanda Margarida, aluna do 5º período do curso de cinema do Câmpus Cidade de Goiás, a experiência é muito significativa. “Eu vejo como um grande aprendizado, tanto no que se refere à parte técnica, do manuseio de novos equipamentos, de novas formas de captação de som e imagem, mas principalmente quanto ao aspecto cultural, da troca de experiências de vida. O fato de estarmos todos acampados, inclusive, nos propicia ainda mais esse contato com os índios e com os viventes do Encontro, em um lugar tão especial quanto como é essa aldeia, que foi criada com esse propósito de congregação”, explica a estudante.

 

Uma aldeia de muitas línguas

 

O primeiro dia de reunião, na Chapada dos Veadeiros, é marcado pela festa dos Povos do Alto Xingu. Os dias subsequentes também são reservados às outras nações, como os Kayapós, os Rikbaktsas, os Guarani Mbyás, os Xavantes, os Krahôs e os Fulni-ôs. Em suas festas, esses povos demonstram parte de seus rituais, participam de rodas de conversas, preparam e ofertam aos viventes suas comidas típicas, trocam artesanatos, mas, principalmente, trocam saberes. A Aldeia Multiétnica é uma oportunidade destas comunidades se encontrarem física e espiritualmente e de debaterem as demandas que afligem suas comunidades e famílias, criando elos que se fortalecem e que garantem mais espaço para suas reinvindicações.

 

Tradição e arte

A segunda semana do Encontro será reservada para os representantes da cultura popular, que tomam as ruas e os palcos da Vila de São Jorge. Entre os dias 22 e 24, a comunidade do Sítio Histórico Kalunga assume o comando das festividades com o IV Encontro Quilombola da região da Chapada dos Veadeiros e apresenta fragmentos da Festa do Divino Espírito Santo, importante festejo religioso da comunidade, além de realizar discussões referentes à saúde, educação, cultura e sustentabilidade do povo Kalunga.

Na sequência começam os shows, de artistas como Doroty Marques e a Turma Que Faz, Alessandra Leão e Caçapa, Conrado Pera, Silvan Galvão, Rosangela Silvestre, Mestre Solano, Passarinhos do Cerrado e o grupo Fulô da Aurora, que já estão confirmados. Os grupos tradicionais veteranos do Encontro, como o Congo de Niquelândia (GO), os grupos de cultura popular do Sítio Histórico Kalunga (GO), a Caçada da Rainha de Colinas do Sul (GO), a Catira e Folia de São João D’Aliança (GO), o Terno de Moçambique do Capitão Júlio Antônio (MG) e o Tambores do Tocantins (TO) continuam a fazer parte da programação principal.

 

Acompanhe aqui a programação de cada dia da XI Aldeia Multiétnica e saiba mais sobre o Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros.

Créditos das fotos: Marcelo Santos Braga e Ana Caroline de Lima.



Acesse aqui mais imagens do Encontro



Coordenação de Comunicação Social e Eventos / Câmpus Aparecida de Goiânia

 

 

Fim do conteúdo da página