Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Institucional

“A nossa identidade é o ensino médio integrado”, diz pró-reitora de Ensino em reunião

Criado: Sexta, 10 de Maio de 2019, 12h00 | Última atualização em Quarta, 22 de Maio de 2019, 15h06

“A educação profissional da instituição é o que a fortalece e o que precisa ser reconhecido. É o verdadeiro eixo da existência desta instituição”, declarou a pró-reitora, salientando a necessidade do fortalecimento dos institutos federais.

Duas reuniões foram realizadas no dia 8 de maio pela equipe da Pró-Reitoria de Ensino (Proen) do Instituto Federal de Goiás (IFG) com a equipe de gestão do Câmpus Formosa e com a comunidade acadêmica, na Sala de Reuniões e no Teatro Guaiá do câmpus, para orientar sobre assuntos ligados ao ensino, como políticas, legislação, currículo, orçamento, processos seletivos, dentre outros.

Para falar com o grupo gestor do câmpus pela manhã sobre o trabalho docente e outros temas, fez parte do diálogo a pró-reitora de Ensino, professora Oneida Cristina Gomes Barcelos Irigon; a diretora em Políticas em Educação Básica e Superior, professora Maria Valeska Lopes Viana; a diretora da Educação a Distância, professora Helen Betane Ferreira Pereira; o diretor de Administração Acadêmica, professor Renan Rodrigues de Oliveira; o coordenador de Expedição e Registros de Diploma, Thiago Wedson Hilário; a coordenadora de Estágio, professora Lorena Pereira de Souza Rosa; o gerente do Centro de Seleção, Alex de Lima Cunha; e o coordenador de Ensino Superior, Vinicius Sousa Ferreira.

 

Professor e instituição: identidades entrelaçadas

O coordenador do curso de Licenciatura em Ciências Sociais, professor Daniel Sejour, sugeriu movimentos de instrução e político de fixação do professor no interior, pois, para ele, um dos papeis do professor do Instituto Federal é fortalecer a região com cursos de especialização técnica, de extensão e outros.

A equipe da Proen ressaltou a necessidade de garantir a qualidade de ensino e de trabalho mesmo diante das dificuldades enfrentadas pela equipe gestora, como quadro deficitário do funcionalismo e cortes frequentes do orçamento. Maria Valeska rememorou que o grupo deve atuar com coerência, avaliando o significado do instituto; atuar em projetos coletivos, de extensão, de pesquisa, realizando planejamento pedagógico; pois, segundo ela, isso é necessário para garantir a razão da existência dos institutos federais.

No encontro com professores, técnicos e alunos, à tarde, no teatro Guaiá, a pró-reitora de Ensino, professora Oneida, iniciou sua fala com a exposição do organograma da Proen e de dados obtidos no Relatório de Gestão de 2018. Em relação a políticas de ensino, a construção de uma política institucional para tratar das formas de acesso ao IFG e a elaboração das diretrizes curriculares dos currículos integrados estão em andamento. A professora também afirmou que há outras metas a atingir, dentre elas, elaborar diretrizes para os cursos de graduação do IFG, implementar e consolidar os Núcleos de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas (NAPNEs) nos câmpus como ações de permanência e êxito, promover a formação para coordenadores de cursos e criar o fórum das graduações e dos cursos técnicos integrais.

A reformulação do currículo dos cursos técnicos da Educação para Jovens e Adultos (EJA) foi ponto de pauta. Oneida afirmou que está em discussão a redução do currículo EJA para três anos, em vez de quatro, como tem sido adotado no Câmpus Formosa e em outros câmpus. Conforme a servidora, se a redução for acatada, isso poderá garantir o currículo integrado dos cursos e reduzir a evasão escolar.

Em tempos de vestibular, os processos seletivos foram o ponto final da reunião. O gerente do Centro de Seleção, Alex de Lima Cunha, sugeriu que o processo seletivo para o curso de Licenciatura em Ciências Sociais seja realizado no final do ano, junto dos demais cursos. O gerente disse que o vestibular tradicional entrará em substituição ao remanescente, que continuará o vestibular Enem, já que é política institucional, e que o Sistema de Seleção Unificada (SISU) continuará sendo adotado como uma forma de entrada para o IFG.

 

Setor de Comunicação Social/Câmpus Formosa

Fim do conteúdo da página