Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Ciência e Tecnologia

Câmpus Formosa representará o IFG na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

“A tecnologia é o futuro, para a medicina, para a educação, para a sociedade em geral”, disse a estudante Josilene de Sousa Santos Fernandes

  • Criado: Quarta, 10 de Outubro de 2018, 18h55
  • Última atualização em Quinta, 18 de Outubro de 2018, 17h38

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), a se realizar entre 15 e 18 de outubro, em Brasília, levará aos visitantes a segunda fase do Projeto Meninas na Ciência, que nasceu no Instituto Federal de Brasília (IFB), durante o Desafio de Projetos do ConectaIF 2018, e se expandiu, transformando-se em um programa do Ministério da Ciência e Tecnologia e Comunicação (MCTIC). O Instituto Federal de Goiás está entre os participantes e o Câmpus Formosa irá representar o IFG no evento, com a estudante do curso superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (TADS), Josilene de Sousa Santos Fernandes.

Na SNCT, Josilene fará melhorias e apresentará o protótipo criado por ela e outras meninas de institutos federais diversos, durante o ConectaIF, em agosto. No evento do IFB, o grupo da jovem desenvolveu o projeto QuimiBox, uma caixa com equipamentos produzidos com materiais recicláveis para auxiliar as aulas de Química. Com baixo custo, a equipe construiu dentro de uma caixa um laboratório de química para ajudar na aprendizagem de Química dos alunos de Ensino Médio. Com a caixa, os alunos poderão aprender conteúdos, como separação de misturas, decantação e destilação.

O laboratório portátil é acompanhado de um aplicativo mobile desenvolvido pela equipe para aparelho celular. Ao acessá-lo, é possível responder a um quizz, obter material de estudo, receber explicações sobre a aplicação da Química no cotidiano e acessar dois manuais de utilização do QuimiBox, um para professores e outro para alunos.  O aplicativo está sendo construído pensando na inclusão, é interpretado em LIBRAS para deficientes auditivos, mas o grupo quer aperfeiçoá-lo, apresentando a opção de alto contraste e fonte maior para melhor visualização por parte das pessoas com baixa visão. Até o momento, o suporte para estas pessoas está contido nos manuais.

O Projeto Meninas na Ciência visa à inclusão da mulher na sociedade, contribuindo para a eliminação de estereótipos de gênero. “Esta representatividade mostra para a sociedade que se a mulher quer, ela pode. Ela pode ser o que ela quiser e isso abre portas para meninas entrarem em qualquer área”, declarou a estudante. Para ela, há preconceito ao tentarem determinar as áreas de atuação da mulher. “Acho que isso tem que ser modificado e é através de projetos assim que vai mudando o pensamento das pessoas”, afirmou Josilene.

 

 

Setor de Comunicação Social/Câmpus Formosa

Fim do conteúdo da página