Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeites

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > IFG terá sistema de geração de energia solar fotovoltaica em nove câmpus
Início do conteúdo da página
Energia limpa

IFG terá sistema de geração de energia solar fotovoltaica em nove câmpus

Projeto selecionado pela Aneel vai custar cerca de R$ 11 milhões e prevê também diversas pesquisas na área

  • Criado: Quinta, 29 de Junho de 2017, 16h43
  • Última atualização em Segunda, 10 de Julho de 2017, 09h19
Reitor, pró-reitores e parte da equipe de pesquisadores reúnem-se

O Instituto Federal de Goiás (IFG) vai implantar sistemas de micro e minigeração solar fotovoltaico com capacidade de 1MWp nos câmpus Anápolis, Aparecida de Goiânia, Formosa, Inhumas, Itumbiara, Jataí, Luziânia, Valparaíso e Uruaçu.  Nestes nove campus, além do Câmpus Senador Canedo, também serão substituídas cerca de 26 mil lâmpadas de baixa eficiência por sistema de iluminação com tecnologia LED. 

O Câmpus Aparecida vai ganhar ainda uma Estação de Tratamento de Esgoto, com reaproveitamento da água para rega dos jardins e arrefecimento de um conjunto de painéis solares e do biogás para cogeração termoelétrica. Tudo isso será possível porque a Instituição teve projeto selecionado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), na Chamada de Projeto Prioritário de Eficiência Energética e Estratégico de P&D nº 001/2016, e vai receber R$ 11.113.839,63.

O projeto “Eficiência Energética e Minigeração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás – IFG” é coordenador pelo professor Ghunter Paulo Viajante (Câmpus Itumbiara) e tem como pesquisadores os Sérgio Batista, Marcelo Escobar, Eric Nery Chaves, Olívio Carlos, Luis Gustavo Wezs, Marcos Antônio Arantes, do Câmpus Itumbiara, e José Luis Domingos, Aylton José Alves, Wesley Pacheco Calixto, Elder Geraldo Domingues, Sérgio Botelho, Douglas Pitaluga, Sandro Morais, Vinícius Carvalhaes e Geovanne Pereira Furriel, do Câmpus Goiânia. Conta ainda com os professores André Luiz Silva Pereira e José Antônio Lambert, do Câmpus Jataí, como colaboradores.

Parte da equipe responsável pelo projeto foi recebida hoje, 29, pelo reitor Jerônimo Rodrigues da Silva, que esteve acompanhado pelos pró-reitores de Administração e Pesquisa e Pós-Graduação, Ubaldo Eleutério e Ruberley Rodrigues. Na reunião foram definidos os encaminhamentos institucionais para o desenvolvimento do projeto e apresentadas as contrapartidas do IFG, que além do aporte de recursos financeiros deverá envolver a oferta de cursos extensão de formação inicial e continuada em áreas relacionadas ao projeto e também a oferta de disciplinas sobre eficiência energética nos cursos regulares nas áreas de engenharias.

 

Economia

Sobre a economia, o reitor da Instituição, professor Jerônimo Rodrigues, destacou que o projeto, além de consolidar o IFG como um centro de referência nacional na área de fontes alternativas de energia e eficiência energética, resultará em economia significativa do custo anual com energia elétrica no IFG, que é de cerca de R$ 2,2 milhões. 

“Com as ações de eficiência energética previstas no projeto, o IFG no futuro próximo vai praticamente zerar sua conta de energia elétrica. Assim, o recurso financeiro que será economizado poderá ser utilizado em outras áreas da Instituição”, ressalta o Reitor.

 

Pesquisas

Também faz parte do escopo do projeto a realização das pesquisas: Análise do impacto técnico nas redes de distribuição de energia em função da inserção das usinas fotovoltaicas e de ações de eficiência energética;  Desenvolvimento de uma plataforma experimental para a conexão e interfaceamento de sistemas fotovoltaicos à rede elétrica, visando a nacionalização da tecnologia; Desenvolvimento de uma planta piloto para conversão de energia termo elétrica a partir da utilização do biogás; Análise de viabilidade econômica, com a aplicação de métodos determinísticos e estocásticos, frente à instalação de sistemas de geração distribuída; e Estudo das estruturas de telhados para instalação de painéis fotovoltaicos.

O projeto prevê, ainda, a aquisição de diversos equipamentos e softwares para a implantação de um Laboratório de Eficiência Energética e Energias Renováveis, no Câmpus Itumbiara.

Para seu desenvolvimento, os estudantes do IFG serão contemplados com 37 bolsas de estágio, iniciação científica ou mestrado.

Como coordenador, o professor Ghunter Paulo assegura que o projeto também promoverá a capacitação laboratorial de estudantes, docentes e servidores das duas instituições participantes, IFG e CELG, que é a proponente do projeto. “Essas ações de eficiência energética devem ter continuidade e podemos replicá-las em outras instituições e unidades consumidoras”, afirma.

O Câmpus de Goiânia já foi contemplado em outro projeto para instalação de uma unidade de minigeração solar fotovoltaica de 250 kWp.

 

Diretoria de Comunicação Social/Reitoria.

Fim do conteúdo da página