Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate - Tradução do site

ptenfrdeitesth

Opções de acessibilidade

Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Corpo de Bombeiros de Itumbiara ministra oficina de Primeiros Socorros no Câmpus.
Início do conteúdo da página
Capacitação

Corpo de Bombeiros de Itumbiara ministra oficina de Primeiros Socorros no Câmpus.

Criado: Terça, 11 de Fevereiro de 2020, 14h31 | Última atualização em Quinta, 13 de Fevereiro de 2020, 11h27

A atividade faz parte da Semana de Planejamento e Capacitação 2020/1 que termina hoje, 11/02

O cabo Arantes foi o instrutor da oficina
O cabo Arantes foi o instrutor da oficina

 

Com o objetivo de ajudar alunos e servidores em caso de acidentes e emergências, foi realizada no Câmpus Itumbiara do IFG ontem, 10/2, a oficina de Primeiros Socorros, ministrada pelo cabo Rogério Arantes, do 6º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar da cidade. O intuito foi o de preparar os servidores para agir corretamente em situações e como proceder até a chegada do socorro especializado, a oficina foi proposta pela Comissão Interna de Saúde do Servidor Público (CISSP).

Aos professores e técnico-administrativos foram ensinados protocolos de atendimento básico para manter sinais vitais de vítimas de acidente, além da forma certa de agir para não agravar a situação da pessoa acidentada. Em Itumbiara, podem ser acionados a equipe do Samu (telefone 192) ou Corpo de Bombeiros (193) para atendimento imediato às vítimas de acidente ou mal súbito. “Os primeiros socorros aplicados com eficiência podem significar a diferença entre a vida e a morte da vítima”, enfatizou o CB. Arantes, que disse ainda que “é o conhecimento que nos traz responsabilidade”.

Em caso de acidente ligue para o Samu (192) ou Corpo de Bombeiros (193).


O cabo Arantes também ensinou que num primeiro momento é preciso avaliar a segurança, a cena e a situação, ou seja, evitar situações que possam colocar tanto a vítima quanto o socorrista em risco, também é necessário verificar se a vítima está consciente, tentando conversar com ela e após seguir a chamada “sequência alfabética ABCDE”.


A (airway vias aéreas em inglês): indica que é necessidade de desobstruir vias áreas das vítimas, fazendo com que ela fazer com que a vítima respire melhor. Há casos em que o indicado é a colocação do colar cervical e elevação do queixo da vítima, desde que a pessoa não tenha risco de lesão.
B (breathing - respiração): neste segundo passo é o momento de conferir se o acidentado está respirando de forma adequada. Isso pode ser feito por meio do Método VOS (ver, ouvir e sentir). Ou seja, observar se o tórax está movimentando, se há barulho quando a pessoa respira e sentir se o ar que sai pela boca. 
C (circulation – circulação): é o momento de checar a pulsação, os batimentos cardíacos, verificar se há uma hemorragia aparente e se não houve uma parada cardíaca. 
D (disability – incapacidade): o socorrista precisa checar o nível de consciência da vítima, ver se a pessoa está em estado de alerta, se está ouvindo ou sente dor. 
E (exposure – exposição): se possível, a vítima deve ser despida para procurar algum tipo de ferimento, hemorragia ou fratura. 

Ainda durante a oficina os participantes aprenderam que nos casos onde a vítima está inconsciente, o primeiro passo é verificar o pulso, e após aplicar a sequência ABDE: vias aéreas, respiração, incapacidade, exposição.


Segundo o cabo do Corpo de Bombeiros, ao realizar essa avaliação primária da vítima, a comunicação com a equipe de atendimento será mais eficaz, uma vez que o atendente poderá permanecer ao telefone repassando orientações até a chegada do socorro especializado.
Fora todas essas orientações, os servidores também foram orientados sobre como agir em casos de desmaio, convulsão ou engasgo.

 

 


Setor de Comunicação Social e Eventos – Câmpus Itumbiara.

Fim do conteúdo da página